Conteúdo

A Cidade das Cem Torres

A Cidade das Cem Torres

Diz-se que Praga é a “Cidade das Cem Torres”, mas a contagem oficial ultrapassará largamente este número. São sobretudo miradouros, igrejas, catedrais, postos militares (e até antenas de televisão) que vão ficando como testemunho da longa história da cidade. Vale a pena viajar pelos vários bairros e aproveitar os pontos altos de cada um.
Por praças e ruelas medievais 

Todo o centro histórico de Praga está classificado como património mundial da UNESCO. Importa referir que esta área abrange vários bairros de importância histórica — na verdade, é quase toda a cidade — que representam um património incalculável de arquitetura e urbanismo.

O epicentro é a Cidade Velha (Staré Město), cujas ruas vão desde o início da grande Praça Venceslau até às margens do Vltava. É talvez a área que compreende o maior número de locais emblemáticos, tirando o Castelo no outro lado do rio.

Começamos inevitavelmente pela Praça da Cidade Velha (Staroměstské náměstí), local com uns orgulhosos 900 anos de história. É aqui que podemos encontrar, além da estátua de Jan Hus, grande figura checa da Reforma Protestante, dois dos maiores ícones da cidade.

Num dos lados da praça, o edifício da antiga câmara municipal. A torre de 66 metros foi construída no século XIV e proporciona uma das melhores panorâmicas. Numa das suas paredes, mais junto ao chão, o relógio astronómico medieval Orloj atrai diariamente grupos de turistas. Sobretudo quando os sinos tocam e começam a “dançar” as várias figuras embutidas no relógio.

Do outro lado, erguem-se as inconfundíveis torres góticas da Igreja de Nossa Senhora de Týn. O interior, não obstante, é de inspiração claramente barroca e tem o órgão mais antigo da cidade. Não é de estranhar que seja um palco privilegiado para concertos de música clássica — como acontece com várias igrejas de Praga.

Saímos da praça e seguimos pelas ruas estreitas. Mais discreto mas não menos carismático é o relógio da torre da Velha Sinagoga de Josefov. Não está aberta ao público, mas o bairro judaico de Praga tem outros pontes de interesse que fazem parte de qualquer roteiro: o Museu Judaico, a Sinagoga Velha-Nova e as mais de 40 mil campas centenárias do antigo cemitério

Prepare-se para cruzar-se em Josefov com a estátua da grande celebridade da cidade: Franz Kafka. E, a poucas ruas de distância, fica a própria casa onde nasceu o escritor de origem judaica. Mas não se fique por aqui — do outro lado do Vltava, pode ainda visitar o Franz Kafka Museum!

Se pensa que em Staré Město já está tudo visto, desengane-se. Caminhando na direção do rio, as paredes brancas e cúpula verde da Torre Astronómica (68 metros) anunciam nova relíquia. Trata-se do complexo do Klementinum, onde as extraordinárias salas barrocas albergam os mais de 20 mil volumes da Biblioteca Nacional da República Checa.

Estamos quase a chegar à famosa Ponte Carlos (Karlův most), a mais antiga de todas e a que leva o nome do rei-imperador que fez das terras checas das mais prósperas e cultas da Europa. Mas antes de ver as 30 estátuas de santos que a decoram, não há como ignorar a Torre da Pólvora (Prašná brána). Usada historicamente no ritual de coroação de antigos reis, é ela que delimita as ruas da Cidade Velha.


Sempre a subir


Na outra margem do rio, somos recebidos por duas outras torres de estilo românico. Na chamada Cidade Menor (Malá Strana) começam a notar-se as diferenças. Há um novo toque imperial dado pelas fachadas trabalhadas ao gosto setecentista, os cafés, os restaurantes e os hotéis de luxo, os jardins e as envolvências do Castelo.

Destaca-se, até mesmo quando vista do outro lado do rio, uma cúpula de 20 metros de diâmetro. Pertence à Igreja de São Nicolau, uma joia barroca sonhada por jesuítas e construída ao longo de três gerações de arquitetos. No interior absolutamente grandioso da igreja encontra-se um dos maiores órgãos da cidade, que chegou a ser tocado por Mozart. Tal como em Týn, também aqui há concertos quase diários de música clássica.

Depois de subir os 215 degraus da torre do sino da igreja e ver Praga de outro ângulo, há que seguir o caminho do Castelo, situado na colina de Hradčany. Isto significa que nos preparamos para visitar o maior símbolo da cidade e hoje também sede da Presidência do país — convém ir com tempo, porque não se trata, na verdade, de um mero castelo.

Fundado no século IX por um príncipe de nome impronunciável (Bořivoj Přemyslovci), é hoje um complexo enorme de palácios, estruturas militares, igrejas e não só. As torres da monumental Catedral de São Vito são o elemento que dominam toda a paisagem da cidade. A presença do Castelo é tão imponente, que se acredita ter sido a inspiração para o romance de Kafka chamado… “O Castelo”. E é o maior do mundo, segundo o livro do Guinness.

A catedral, obra-prima do gótico e maior símbolo espiritual da nação checa, é apenas o início de uma longa viagem. Do Palácio Real e o Salão Vladislav aos magníficos jardins, passando pela Torre da Pólvora (outra!) e a Basílica de São Jorge, o ideal mesmo é passar um dia inteiro a explorar todos os recantos do Castelo. Pelo meio, há a vinha mais antiga da República Checa, um Museu do Brinquedo e as imperdíveis casas minúsculas da Via Dourada — que tiveram alguns residentes famosos, entre os quais... Kafka, é claro.

É indiscutível que é no Castelo que está a melhor vista sobre Praga. Mas a viagem não termina aqui.


E agora, para algo completamente diferente...

Antes de regressar à outra margem do Vltava, espera-nos uma surpresa. Na colina de Petřín, damos de cara com uma torre de observação 64 de metros claramente inspirada na Eiffel de Paris. Sim, são mais 299 degraus que é preciso subir. Mas a recompensa é boa, com uma nova perspetiva não só sobre Praga mas também sobre grande parte da região da Boémia.

Vamos depois, desta vez pela Ponte Legião, em direção à chamada Cidade Nova (Nové Město). Que de “nova” tem muito pouco: foi fundada em 1348 pelo rei Carlos IV. E tudo começou com o edifício da Nova Câmara Municipal, famosa pela torre gótica de 70 metros e por estar associada a um conjunto de episódios históricos invulgares: as defenestrações de Praga.

Foi na Nova Câmara Municipal que se deu a primeira defenestração, em 1419. Ao todo, 15 pessoas foram atiradas pela janela, na sequência de uma revolta popular face à recusa das autoridades em libertar prisioneiros hussitas — seguidores da teologia de Jan Huss. A segunda defenestração, também por motivos religiosos, viria a ocorrer em 1618 no Palácio Real do Castelo.

Por fim, marcamos encontro na Praça Venceslau. Verdadeiro centro comercial e cultural de Praga, no seu topo sul impõem-se dois tesouros. Em primeiríssimo plano, a estátua de São Venceslau em cima de um cavalo, a estátua mais importante da cidade e, por detrás, a grande abóbada do neo-renacentista Museu Nacional.

Chega? Não. O ideal é continuar a percorrer pé as ruas e descobrir a cada esquina uma nova história. Provavelmente, ainda vai acabar a olhar os 216 metros da Torre Žižkov. O antigo posto de televisão é, de longe, o maior edifício de toda a cidade. Hoje, transformado num inovador centro de arte e restauração.

Inspire-se com as nossas sugestões

Explore os nossos destinos

Praga
República Checa Praga
Cultura Gastronomia Romance Compras
Cidades mais próximas
      Selecionar data
      Selecionar datas
      Gosto
      Ver versão acessível no youtube.
      WishList
      Partilhe