Conteúdo

O Outro Lado Da Maçã

O Outro Lado da Maçã

É verdade que visitar a grande metrópole norte-americana inclui paragens obrigatórias em locais lendários. Mas variedade e tendências novas são marcas de Nova Iorque. E além das atrações habituais, existem outras opções que permitem mergulhar na vida extraordinária da cidade. E confirmar que ela é mesmo especial.

Ao ar livre

Em espaços verdes, o Central Park costuma concentrar todas as atenções. Mas vale a pena sair de Manhattan e procurar as surpresas dos outros distritos. Nos últimos anos, tem sido sobretudo Brooklyn a valorizar-se com novas ofertas em lazer e cultura.

Mas também há cenários antigos. Muito antigos. Atravessando a ponte Brooklyn para o distrito com o mesmo nome, encontramos uma preciosidade da cidade que é também monumento nacional: o cemitério de Green-Wood, fundado em 1838.

Sugestão lúgubre? Não! Os 478 hectares de colinas, vales e caminhos são uma espécie de oásis de paz e sossego no meio da grande confusão. E há, sobretudo, a curiosidade de encontrar, entre mais de 500 mil “residentes”, mausoléus e estátuas, os muitos nomes ilustres da história americana que conferem a Green-Wood uma fama semelhante à do cemitério de Père-Lachaise em Paris.

A entrada é grátis e há visitas guiadas para ver os túmulos de Leonard Bernstein, Jean-Michel Basquiat ou Henry Steinway, entre outras lendas da política, desporto e guerra civil. Histórias de escândalos, rivalidades e segredos fazem parte deste roteiro invulgar. 

De volta a Manhattan, vamos em direção ao Fort Tryon Park que se destaca na ponta norte da ilha. Oferecido como presente por John D. Rockefeller à cidade de Nova Iorque, mantém-se como um dos seus lugares de maior encanto natural. Tem olmos com mais de cem anos, quatro jardins diferentes e exemplos de arquitetura clássica bem preservados. 

E como este é um dos pontos mais elevados da cidade, uma tarde bem passada aqui incluirá sempre a vista privilegiada sobre o rio Hudson e as outras margens. Mas não só...

 

À procura de arte

Já que estamos pelo Fort Tryon Park, é também aqui que damos de caras com algo que contrasta imediatamente com a modernidade de Nova Iorque. O The Cloisters é um museu que pertence ao Metropolitan Museum of Art (Met) e se dedica à arte e arquitetura da Idade Média. A construção contém elementos inspirados em vários claustros europeus e a coleção inclui mais de duas mil obras de arte datadas entre os séculos XII e XV.

Novamente em Brooklyn, regressamos abruptamente aos dias de hoje. Agora num bairro in que é um fenómeno tipicamente novaiorquino. Em Williamsburg, nas ruas de prédios industriais concentram-se jovens criativos, lojas e restaurantes identificados com uma cultura independente.

E além das galerias de arte, há ainda a feira gastronómica Smogasburg, o Flea Market e o mini-bairro de DUMBO (“Down Under the Manhattan Bridge”) a fazer desta uma das zonas mais apetecíveis de Nova Iorque.

 

Comprar e comer fora do circuito

Se o objetivo for descobrir grandes pechinchas, lembranças únicas, passar uma noite relaxada e evitar os preços altos das avenidas concorridas de Manhattan, o melhor mesmo é continuar na outra margem do rio. Na atmosfera plural do Brooklyn Night Bazaar há de tudo às sextas e sábados: galerias de arte, artesanato, decoração, boa comida e música ao vivo. O BNB por vezes muda a localização, por isso fique atento!

Numa vertente multicultural, a Chinatown de Manhattan assume-se como primeira opção óbvia. Mas também Flushing, no distrito de Queens, merece referência. Fica a norte de Brooklyn e é uma extensa área urbana onde predominam comunidades imigrantes, sobretudo de origem asiática. Nada como ir até Flushing para uma autêntica imersão gastronómica — e a experiência vai das bancas de rua aos restaurantes mais conceituados.

E há centenas de lojas de todos os tipos, literalmente. Quem procurar roupas e brinquedos coreanos ou ervas terapêuticas chinesas, tem em Flushing o sítio certo!

E à noite?

As opções de entretenimento em Nova Iorque são infinitas e não se limitam às grandes salas da Broadway, em Manhattan. Por perto, fica o mítico bairro de Hell’s Kitchen, que aproveita alguma da sua antiga aura de rebeldia para reafirmar o charme do presente. Aqui há uma série de teatros alternativos e espaços de tom mais intimista com espetáculos de novos autores.

Tal como em Bushwick, a norte de Williamsburg no distrito de Brooklyn. As ruas industriais deste bairro de antiga fama difícil (tal como Hell’s Kitchen) têm sido habitadas crescentemente por artistas e jovens em busca de rendas mais acessíveis. Os clubes, galerias e salas alternativas cresceram como cogumelos.

Uma coisa é certa. Em Nova Iorque ficar em casa não é uma opção. Se vier com tempo, não se esqueça de reservar um ou dois dias para ver a cidade de uma outra perspetiva.

Inspire-se com as nossas sugestões

Explore os nossos destinos

Nova Iorque Nova Iorque
Estados Unidos Nova Iorque
Compras Cultura Romance
Cidades mais próximas
    Selecionar data
    Selecionar datas
    Gosto
    Ver versão acessível no youtube.
    WishList
    Partilhe